domingo, 20 de dezembro de 2015

Repete até morrer

Cercado por montanhas firmes e sólidas, de repente,
você sente-as todas virar areia, que o vento leva o pó.
Nada está seguro, tudo desmorona.
Suas inseguranças vieram, mais uma vez, à tona.
E nem vontade de reagir você tem.
Mas você precisa.
Precisa levantar e mostrar pra todo mundo que está tudo bem.
(não está)
O esforço para convencê-los é tão grande
que quase não compensa.
(compensa?)
Mas você já tem tanto na cabeça.... e é tão ruim pra você, né?
Você não quer mais ninguém sofrendo com isso, né?
Você estar ruim parece o suficiente, não?
Vai dar tudo certo: você vai levantar,
agirá normalmente,
vai ignorar tudo o que sente,
e vai sorrir.
Mais uma vez.
E repete amanhã.
E repete todos os dias.

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Ás vezes a gente só não quer acordar

Cresci transformando todas as situações (reais e hipotéticas) em problemas maiores do que provavelmente elas eram (ou viriam a se tornar).
Agora não sei mais identificar se o que estou vivendo e sentindo é realmente um problema, uma dificuldade. Não sei se é pura invenção da minha cabeça.
Mas acho que no fundo eu nunca soube.
O pior de tudo é ter a impressão de que os problemas reais estão sendo mascarados e não perceber que o que me aflige e é na verdade a causa de todos os outros problemas está de baixo do meu nariz e eu me nego a acreditar.
No fundo, eu sei. Mas nem sempre a gente quer saber.
Ás vezes a gente só quer que passe.
Que passe tudo: os problemas reais, os hipotéticos, os circunstanciais, os causadores, os que estão escondidos e os que não existem fora da nossa cabeça.
Ás vezes a gente quer dormir pra não pensar nisso tudo e não consegue.

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Como? [2]

sei,
otimismo resolve.
como?

Como?

Não querer alguma coisa é assim tão absurdo?

Como expressar sua própria vontade pode ser assim tão incômodo a outra pessoa
(especialmente quando não influencia em nada em QUALQUER vida excetuando a sua!)?


domingo, 25 de outubro de 2015

Minhas mãos tremem. Não consigo parar. Agoniante. A letra borra no papel.
Não consigo estudar. Esse tremor... Descontrolado, me apavora.
Que outros sintomas hão de vir?
Tenho medo. Não sei dizer se esse medo é sequer racional. Não sei com quem compartilhar esse tipo de angústia.
Mais uma vez inerte, não sei o que fazer. Me sinto impotente, esperando.
O que virá............. não sei.
Estremeço. E minhas mãos continuam tremendo.

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

O mundo é cheio de ironias

Não seria engraçado se você passasse boa parte da vida afogado em sentimentos de auto-depreciação, em que, quase todas as vezes, você acabasse por decidir que talvez viver não seja para todos, e de repente você, individuo infeliz consigo mesmo, fosse diagnosticado com uma doença auto-imune, o seu próprio corpo se auto-destruindo?

Pobre de você, com sua existência tão errônea que seu próprio dna decidiu aliviar-te do fardo de ser você. Muito lento, porém. Não, aguenta teu fardo. Tenta remediar o irremediável (lute contra seu corpo, oras), sofre as consequências com todo o terror psicológico já pré-existente.


Se vira, você.
O mundo é cheio de ironias e você é a maior de todas elas.

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Mas a que é que tens direito?

A melancolia não é um dever.
Tem gente que tem, tem gente que não.
Nos expressamos como dá, sem perceber, até, às vezes.
Tem dia que vem, tem dia que não.
Não necessariamente ela te afeta.
Tem gente que sabe lidar, tem gente que não.
Dizem ser mal da alma.
Tem alma que convive bem, tem alma que não.
Mas a que é que ela tem direito?
Se nem sempre presente, nem sempre perceptível.
Não tem direito, não.
Mas tá lá.
Melancolia Massacra a Mente.
Acomete branco negro rico pobre criança e adulto.
Tem gente que nasce com ela, tem gente que adquire.
Sem saber, até.
Tá lá.
Tá cá.
Saber lidar.
(não) saber lidar.
O sofrimento é opcional. Não.
O sofrimento não é opcional.
Tá lá e cá.
Tá.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Alguma ajuda necessária a dormir

Conseguirei dormir essa noite?
Ligada em pensamentos,
Oculta em minha mente
Noutra dimensão perturbadora.
Amanhã já vem.
Zumbido nos ouvidos.
Estremeço ao pensar que,
Provavelmente,
Amanhã nada mudará.
Mesmo assim, vou lá.

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

O eterno ciclo do "Não estou dormindo bem, não estou conseguindo viver bem"

Não durmo bem há semanas.
Não tenho mais humor,
nem vontade de ser gentil
ou vontade de estar ali.
Só quero chorar
por qualquer comentário
ou observação.
Não quero dar amor ou retribuir.
O eu te amo flui mais como um socorra-me.
Imersa na minha fadiga,
afogada nos meus pensamentos
desconfortáveis e infelizes.

Não sei por que não tenho dormido bem,
mas virou um ciclo.

segunda-feira, 4 de maio de 2015

domingo, 3 de maio de 2015

Mas pra quê deixar minha tristeza transparecer?

Bem melhor deixar todo mundo acreditando que eu sou feliz, com o psicológico perfeito e inabalável

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Me perco, confusa, em devaneios.

Será assim normal
passar tanto tempo
pensando em suicídio?

Duas linhas e nenhum retorno

Eu tenho pensamentos que eu não sei guiar
Que me levam a extremos e eu não sei voltar

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Absortismo

Tão absorta em meus pensamentos, às vezes, a vida parece passar como um filme,
desses em que a gente deixa na tv ligada só pra fazer companhia, sem prestar atenção.
Imagens passando.
Pensamentos profundos.
Tic-tac.
Que horas são?
Me distraio do meu pensar e volto a atenção ao filme.