terça-feira, 7 de novembro de 2017

Cansaço

Eu estou infeliz.
Cada dia se torna insuportável ao acordar
e perceber
que
é um novo dia.

Eu não aguento mais
ser eu.
Quero sumir
e ser outra pessoa.
Eu não aguento mais.
Mais nada!!!
Odeio acordar, pelo amor de deus. Seu deus.
O meu não atendia, o matei na minha cabeça.
Minha cabeça.
Minha Mente. É a próxima.
Só quero aproximação. Do fim.
Não quero existir, por que resistir?
Eu não sei.
Busco resposta a essa e outras perguntas.
Tantos porquês...
Tão poucas respostas.
Cansada de ter respostas pros problemas de todo mundo
e sufocar com os meus.

domingo, 1 de outubro de 2017

E sendo absorvida por eles

Com muito custo tolero meus dias infelizes, pensando nos outros porque em mim já não quero pensar mais. Quando o faço, sou submetida a uma infelicidade e tristeza que não cabem em mim. Estou cansada. Acordar todos os dias e me levantar para fazer meus afazeres demandam uma energia que, quando o faço, nem sei de onde vem. Na maior parte do tempo, eu só quero me recostar em algum lugar e chorar. Reclamo muito, mas não mais do que o tanto que me sinto exausta. Não quero mais brincar de ser eu. Não quero. Passo meu tempo livre imaginando a enorme quantidade de acidentes fatais que eu poderia sofrer  naquele momento e em outros. Anseio por uma corda. Não aguento mais. Queria algo que mostrasse onde estão meus erros pra que eu pudesse consertá-los e parasse de pensar nessas coisas que penso. Mas não importa o quanto eu procure, a única coisa que me remete aos meus erros sou eu mesma. Mais uma vez os pensamentos. Queria parar, mas a única forma que consigo encontrar para parar me leva de volta ao mesmo ponto. Andando em círculos.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

setembro amarelo

Ó, por favor, não leve tão a sério minhas queixas.
Não se preocupe com isso, não!
É só cansaço...
Tá tudo certo por aqui.
O que? Não, não, eu só não tenho dormido bem.
Tá tudo ótimo.
*sorriso*
Impressão sua, esse olhar caído é sono.
Não, meus olhos não estão inchados, que bobagem.
Eu perdi esses 7kg foi em uma dieta nova, menina!
Crise de ansiedade? Isso nem existe...
Tá tudo bem.
Eu juro.
Já até escolhi a árvore.

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Imprecisão

Preciso de mais horas nos meus dias para conseguir fazer o que preciso.
Preciso dormir mais horas por dia para conseguir aguentar o próximo dia.
Preciso tirar notas boas nas próximas provas para poder descansar nas próximas horas.
Preciso tomar mais café, mas não muito pois o estômago não dá conta.
Preciso ficar acordada. Dormir. Estudar. Trabalhar. Manter-me sã.
Não dá.
Preciso de drogas mais pesadas.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Nada novo sob o sol

Vivendo o pesadelo de estar dentro da minha cabeça.
Já não posso com meus pensamentos.
Socorro.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

O dia hoje tá com um vazio do tamanho dos sorrisos que o senhor costumava dar. A saudade já chegou e agora o senhor descansa. Que a gente possa ser otimista, que consigamos ver as coisas como o senhor via e que aí no céu tenha muito bolo porque sei como o senhor gostava (mas sem cobertura). Espero que o  senhor receba nosso muito obrigada por tudo que nos ensinou e por ter feito nossos dias tão mais alegres com seu eterno bom humor.

sábado, 24 de junho de 2017

Preciso de mais horas de terapia

Dias intermináveis e ainda assim a semana voa. Não consigo fazer tudo que preciso, divago nas horas num desespero mascarado junto à melancolia. Estou cansada, não tenho conseguido dormir noites inteiras e a minha saúde não anda tão bem quanto eu gostaria. Estou evitando fumar, ou seja, não tenho mais meu ansiolítico e acabo por ficar mal-humorada sem querer.

Somando tudo, eu me sinto vulnerável. E estou cansada demais pra fazer alguma coisa a respeito e sem tempo demais pra passar o dia todo na cama pra me reparar.

Meu avô não está bem.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Você é parte do todo

Passar a semana toda se enganando e acreditando
que as coisas são do jeito que são e está tudo bem.
Mas na verdade está tudo errado.
E você sabe.
Mas e daí?
Não há nada a fazer.
Toca em frente porque ninguém quer sair do próprio conforto pra fazer alguma diferença.
E teu esforço só vai te desgastar.
Mas você também sabe disso.
Tá tudo errado e é uma pena ser parte do todo.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Falo no plural mas talvez seja só eu

A gente se esforça muito pra ser e fazer as atividades diárias da melhor forma possível
e se convence de que está se colocando em primeiro lugar.
Mas essa face é só uma máscara porque na verdade, quanto às opiniões de outras pessoas,
a gente se importa demais, sofre demais.
Não sente ser o suficiente e isso parece sugar o seu ser.
Nos preenchemos de lágrimas, então.
Choramos o caminho inteiro na volta pra casa,
lidando com mais olhares e julgamentos pelo choro e cara inchada.
Mas a essa altura já não dá pra controlar as crises de choro.

domingo, 30 de outubro de 2016

O mundo dos outros

Tenho o grande problema de problema dos outros.
Carrego comigo gentileza e sofrimento.
Muita boa vontade em tentar resolver os problemas de todo mundo
e me virar pra lidar com os meus.
Sozinha.
Mesmo que às vezes partilhe fragmentos do que me aflinge,
sempre penso em como o que eu sinto pode aflingir outras pessoas.
Ninguém nunca sabe minha história inteira
e eu também não sei a história inteira de ninguém.
Mas o que eu sei se totaliza na junção do que me foi dito
e das situações que vivencio.
Me viro.
Mania de carregar mundo nas costas:
o meu e o dos outros.

(vou comprar mais um maço)

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Delta

Ah, a vida era bem mais fácil quando não se tinha perspectiva.
Quando tanto fazia o amanhã, ás vezes cogitando nem mesmo ter um.
Mas as coisas mudam muito quando você começa a almejar alguma coisa
e agora a incerteza é aterrorizante.
Fui inventar de querer o difícil, ainda por cima.
Um certo gosto por superar as dificuldades,
provar para todos a minha capacidade e,
mais importante ainda, provar à mim mesma.
Tem dia que é só desânimo e tem dia que a gente sente as coisas fluírem.
No restante dos dias, a gente corre atrás.
Sua a camisa, sente as dores físicas e emocionais, perde noites, ganha dias, descobre, inventa, reinventa, ajuda e é ajudado, não pára.
Só não pára.
Se parar a gente perde fôlego, se torna inconstante.
Malditas variáveis.


quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Relações superficiais

Você está tecnicamente protegido, percebe que não há cobranças e ao mesmo tempo não tem ao certo com quem contar.
Tem aqueles amigos pra tomar uma cerveja ou um café, conversar frivolidades, mas ninguém para contar aquela sua dor na alma ou seus medos.
E a culpa (talvez) nem seja deles, afinal, você é que julga tal desinteresse mas nunca os deu uma chance. Ou talvez tenha dado e algo tenha saído errado? É difícil dizer, nossa memória é seletiva, às vezes pensamos numa ordem de fatos que na realidade fora outra.
O bom é que você não precisa de ninguém, não de verdade, pelo menos. Ou será que você também se convenceu disso?
Ficar sozinha não é ruim.... Ruim é se sentir só. Esse é o verdadeiro veneno, que vem em doses pequenas. Contudo, não nos sentimos envenenar, há a ilusão de que as coisas estão melhores assim.
E junto vem o sentimento de que a recíproca é verdadeira (talvez até seja....mas talvez não?) e começamos a aceitar que as pessoas não te contam as coisas porque não gostam de você ou que te chamam para sair apenas por obrigação, enquanto você também não os convida para sair nem conta detalhes da sua vida privada.
Será que é mesmo necessário aprofundar relações? Não bastam as superficiais? Será mesmo preciso fazer parte de grupos? Por que me sinto excluída de todos eles? Por que não consigo me considerar aceita?
Preciso de alguém imparcial para responder à essas perguntas.
Na realidade, eu vou só fumar um cigarro mais tarde, pensando que pode ser ele o que irá me matar e que talvez ninguém vá ao meu enterro.
(E um último pensamento antes de dormir: "Mas não seria melhor assim?")

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Sobre hábitos ruins

Apaguei a luz e fiz miose
Curiosamente vi o que a luz não me mostrava
Apaguei a luz e fumei um cigarro
E curiosamente concluí o que pensava

Ver e concluir
Que às vezes
Ser o que és
Pode ser desagradável
Quando terceiros
São o que são.

Mas concluir não basta.
Não quando colocar em prática no dia seguinte depende de outrem.

Até que ponto descobrir ajuda?
(Ajuda?)
Até que ponto adianta?
(Atrasa?)

Ah, irremediável essência.
És tu o verdadeiro problema.
E problemática.


domingo, 24 de abril de 2016

A esperança é a última que morre?

Era uma vez uma garota que só andava olhando para baixo
pois sempre tinha a esperança de encontrar um tesouro na rua.
Assim, um belo dia ela atravessou fora da faixa e morreu atropelada.

Mas morreu cheia de esperança.

domingo, 3 de abril de 2016

A gente acorda sem respostas

Às vezes a gente acorda tão questionador
Que a gente questiona o deus dos outros
Uma vez que já questionamos tanto o nosso
Que ele nem existe mais.

Ás vezes alguém pergunta se está tudo bem
Ora, se eu não tenho resposta
pros meus questionamentos
que dirá os seus.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Sobre os problemas:

Eu os guardo, eles se acumulam e numas noites eu choro e não consigo dormir.



(Deviam ensinar nas escolas o quão corrosivo isso pode ser,
mas tem tanta coisa que eles não ensinam nas escolas...)

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Insônia.
Perfeita para ler um livro
ou desenhar
ou escrever
ou repensar.

Mas eu só queria dormir.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Súplica

textos e poemas
escritos para clarear
a mente de quem os escreve
mesmo que isso acabe por iluminar
o que devia permanecer sem luz

mesmo que isso acabe por destruir
pensamentos ao longo de muito
construídos

mesmo que isso acabe por acabar
por completo
com o que outrora fora o autor

mas, por favor, que acabe.

Quem diz?

Tremendo
não querendo
falando demais
o que já devia ter sido falado
mas por motivos 
jamais entendidos
nunca fora dito
só sentido
ferido
guardado.

por pra fora dói
guardar dói
viver dói
e dói.

Sair,
como?
Vai ver que eu sou mesmo essa pessoa horrível.
Ah.
Assim a saída fica mais clara.
(ou será só o escuro falando por mim?)

domingo, 17 de janeiro de 2016

Tenho medo de perder as pessoas.
Não temo o abandono, mas a fuga da existência.
Sei como é a sensação de querer não mais existir
e me preocupa saber que outros ao meu redor
também circulam por esses vales.

Não sei lidar. 
Quero ser luz pra essas pessoas mas sinto que vivo no escuro.

domingo, 20 de dezembro de 2015

Repete até morrer

Cercado por montanhas firmes e sólidas, de repente,
você sente-as todas virar areia, que o vento leva o pó.
Nada está seguro, tudo desmorona.
Suas inseguranças vieram, mais uma vez, à tona.
E nem vontade de reagir você tem.
Mas você precisa.
Precisa levantar e mostrar pra todo mundo que está tudo bem.
(não está)
O esforço para convencê-los é tão grande
que quase não compensa.
(compensa?)
Mas você já tem tanto na cabeça.... e é tão ruim pra você, né?
Você não quer mais ninguém sofrendo com isso, né?
Você estar ruim parece o suficiente, não?
Vai dar tudo certo: você vai levantar,
agirá normalmente,
vai ignorar tudo o que sente,
e vai sorrir.
Mais uma vez.
E repete amanhã.
E repete todos os dias.

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Ás vezes a gente só não quer acordar

Cresci transformando todas as situações (reais e hipotéticas) em problemas maiores do que provavelmente elas eram (ou viriam a se tornar).
Agora não sei mais identificar se o que estou vivendo e sentindo é realmente um problema, uma dificuldade. Não sei se é pura invenção da minha cabeça.
Mas acho que no fundo eu nunca soube.
O pior de tudo é ter a impressão de que os problemas reais estão sendo mascarados e não perceber que o que me aflige e é na verdade a causa de todos os outros problemas está de baixo do meu nariz e eu me nego a acreditar.
No fundo, eu sei. Mas nem sempre a gente quer saber.
Ás vezes a gente só quer que passe.
Que passe tudo: os problemas reais, os hipotéticos, os circunstanciais, os causadores, os que estão escondidos e os que não existem fora da nossa cabeça.
Ás vezes a gente quer dormir pra não pensar nisso tudo e não consegue.

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Como? [2]

sei,
otimismo resolve.
como?

Como?

Não querer alguma coisa é assim tão absurdo?

Como expressar sua própria vontade pode ser assim tão incômodo a outra pessoa
(especialmente quando não influencia em nada em QUALQUER vida excetuando a sua!)?


domingo, 25 de outubro de 2015

Minhas mãos tremem. Não consigo parar. Agoniante. A letra borra no papel.
Não consigo estudar. Esse tremor... Descontrolado, me apavora.
Que outros sintomas hão de vir?
Tenho medo. Não sei dizer se esse medo é sequer racional. Não sei com quem compartilhar esse tipo de angústia.
Mais uma vez inerte, não sei o que fazer. Me sinto impotente, esperando.
O que virá............. não sei.
Estremeço. E minhas mãos continuam tremendo.

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

O mundo é cheio de ironias

Não seria engraçado se você passasse boa parte da vida afogado em sentimentos de auto-depreciação, em que, quase todas as vezes, você acabasse por decidir que talvez viver não seja para todos, e de repente você, individuo infeliz consigo mesmo, fosse diagnosticado com uma doença auto-imune, o seu próprio corpo se auto-destruindo?

Pobre de você, com sua existência tão errônea que seu próprio dna decidiu aliviar-te do fardo de ser você. Muito lento, porém. Não, aguenta teu fardo. Tenta remediar o irremediável (lute contra seu corpo, oras), sofre as consequências com todo o terror psicológico já pré-existente.


Se vira, você.
O mundo é cheio de ironias e você é a maior de todas elas.

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Mas a que é que tens direito?

A melancolia não é um dever.
Tem gente que tem, tem gente que não.
Nos expressamos como dá, sem perceber, até, às vezes.
Tem dia que vem, tem dia que não.
Não necessariamente ela te afeta.
Tem gente que sabe lidar, tem gente que não.
Dizem ser mal da alma.
Tem alma que convive bem, tem alma que não.
Mas a que é que ela tem direito?
Se nem sempre presente, nem sempre perceptível.
Não tem direito, não.
Mas tá lá.
Melancolia Massacra a Mente.
Acomete branco negro rico pobre criança e adulto.
Tem gente que nasce com ela, tem gente que adquire.
Sem saber, até.
Tá lá.
Tá cá.
Saber lidar.
(não) saber lidar.
O sofrimento é opcional. Não.
O sofrimento não é opcional.
Tá lá e cá.
Tá.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Alguma ajuda necessária a dormir

Conseguirei dormir essa noite?
Ligada em pensamentos,
Oculta em minha mente
Noutra dimensão perturbadora.
Amanhã já vem.
Zumbido nos ouvidos.
Estremeço ao pensar que,
Provavelmente,
Amanhã nada mudará.
Mesmo assim, vou lá.

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

O eterno ciclo do "Não estou dormindo bem, não estou conseguindo viver bem"

Não durmo bem há semanas.
Não tenho mais humor,
nem vontade de ser gentil
ou vontade de estar ali.
Só quero chorar
por qualquer comentário
ou observação.
Não quero dar amor ou retribuir.
O eu te amo flui mais como um socorra-me.
Imersa na minha fadiga,
afogada nos meus pensamentos
desconfortáveis e infelizes.

Não sei por que não tenho dormido bem,
mas virou um ciclo.